Nuno Marques diz que Pedro Sousa é a melhor opção para Portugal

| Ténis

Nuno Marques justificou hoje a aposta em Pedro Sousa com o argumento de que foi a melhor decisão para a seleção portuguesa de ténis, que vai discutir o 'play-off' do Grupo Mundial da Taça Davis com a Alemanha.

"A decisão é sempre o que é melhor para a equipa. Temos opções e um contexto, sinto-me confiante com a escolha para amanhã [sexta-feira]", disse o selecionador nacional, sem especificar os motivos que o levaram a eleger o lisboeta.

A grande incógnita do 'play-off' que vai opor Portugal e Alemanha, na luta pela presença no Grupo Mundial na próxima temporada, era se seria o segundo jogador luso mais bem posicionado no 'ranking' mundial (107.º) ou Gastão Elias, o habitual número dois de Portugal na Taça Davis, a alinhar nos singulares, tendo o 'capitão' optado por Pedro Sousa.

"Sempre que venho à Taça Davis estou pronto para jogar, é uma decisão que cabe ao Nuno. O Nuno desta vez escolheu-me a mim, vou tentar ganhar o meu jogo, que é o mais importante", defendeu o número dois nacional, que negou ter ficado surpreso com a escolha do selecionador.

Sousa, reconheceu, no entanto, que não está habituado a jogar à melhor de cinco 'sets'. "Não sei se vai ser melhor ou pior, não tinha pensado nisso ainda. Vamos ver como corre", acrescentou.

Sobre Jan-Lennard Struff, o seu adversário no encontro de singulares de sexta feira, o 107.º classificado da hierarquia ATP enalteceu o seu "bom serviço" e definiu o número um alemão como "um jogador que bate forte na bola".

Já João Sousa admitiu que Cedrik-Marcel Stebe, o jogador que vai defrontar no primeiro encontro do 'play-off', é o elemento da seleção alemã que conhece pior.

"Pelo que tenho visto, tem vindo a fazer bons resultados. Já joguei com ele há muitos anos, em Wimbledon, no 'qualifying'. Estamos à espera de uma equipa muito forte. Vamos dar o melhor e tentar já amanhã vencer os dois singulares", referiu o número um nacional.

O 57.º tenista ATP confessou ainda que a equipa portuguesa nunca teve a sensação de que "poderia aparecer o [Alexander] Zverev pela porta". "Estávamos conscientes de que era esta a equipa que íamos defrontar. Independentemente de quem está, é uma equipa muito forte", acrescentou.

Questionado sobre a sua nova condição de suplente, Gastão Elias lembrou que "já houve muitas vezes" em que não jogou à sexta-feira e garantiu que estará pronto sempre que a seleção portuguesa precisar de si.

"Na sexta, o máximo que posso fazer é apoiar os meus colegas", disse, merecendo o aplauso do antigo 'capitão' José Vilela, que ocupava o cargo de selecionador nacional há 23 anos, na outra ocasião em que Portugal teve a oportunidade de subir ao Grupo Mundial, mas perdeu por 4-0 com a Croácia.

A seleção portuguesa, que pode fazer história para o ténis nacional ao chegar, pela primeira vez, ao Grupo Mundial, é capitaneada por Nuno Marques e composta por João Sousa, Pedro Sousa, Gastão Elias (148.º) e João Domingues (184.º).

A formação da Alemanha, que é orientada por Michael Kohlmann e que não contará com os seus três principais tenistas - Alexander Zverev (4.º), Mischa Zverev (27.º) e Philipp Kohlschreiber (34.º) -, é integrada por Jan-Lennard Struff (54.º), Cedrik-Marcel Stebe (90.º), Yannick Hanfmann (136.º) e Tim Puetz (380.º).

O 'play-off' de acesso ao Grupo Mundial da Taça Davis decorre entre sexta-feira e domingo, no 'Centralito', o mais emblemático dos 'courts' de terra batida do complexo de ténis do Jamor (Oeiras).

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.