O abandono de Kris Meeke

| Rali de Portugal

A suspensão traiu Kris Meeke
|

Meeke, campeão em 2016, abandona em Ponte de Lima.

O norte-irlandês Kris Meeke, vencedor da edição 2016 do Rali de Portugal, abandonou sexta-feira na sétima classificativa da prova lusa, sexta prova do Mundial, em Ponte de Lima, após ter partido a suspensão do Citroën C3.

Na segunda passagem pelos 27,46 quilómetros do troço minhoto, Meeke, nono do Mundial, atrasou-se devido a um furo num dos pneus, primeiro, e, depois, praticamente a meio do percurso, foi forçado a abandonar a etapa com a suspensão da viatura partida.

O norte-irlandês, que este ano venceu o Rali do México e liderou a prova lusa após a quinta especial, somou o segundo abandono consecutivo, depois de ter sofrido dois acidentes no Rali da Argentina.

Além de Meeke, também o finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris), que seguia no segundo lugar, e o neozelandês Hayden Paddon (Hyundai i20) se atrasaram em Ponte de Lima.

"No início do troço, na segunda travagem, o carro não parou e eu não sei porquê. Acertámos num morro, em duas rodas e virámos. Tivemos danos no escape e tivemos de usar o modo de estrada", explicou o vencedor do rali em 2015 e grande protagonista das três classificativas disputadas durante a manhã.

Paddon voltou a deparar-se com problemas elétricos no Hyundai i20, que se tinha desligado logo na primeira especial, terminando com um atraso de quase 11 minutos do mais rápido, o espanhol Dani Sordo, seu companheiro de equipa.

O estónio Ott Tänak (Ford Fiesta) lidera a 51.ª edição do Rali de Portugal após sete classificativas, com 3,6 segundos de vantagem sobre Sordo.

Ainda hoje, os pilotos vão enfrentar duas especiais na 'Braga Street Stage', um percurso urbano de 1,9 quilómetros, semelhante ao disputado no Porto.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.