O abandono de Kris Meeke

| Rali de Portugal

A suspensão traiu Kris Meeke
|

Meeke, campeão em 2016, abandona em Ponte de Lima.

O norte-irlandês Kris Meeke, vencedor da edição 2016 do Rali de Portugal, abandonou sexta-feira na sétima classificativa da prova lusa, sexta prova do Mundial, em Ponte de Lima, após ter partido a suspensão do Citroën C3.

Na segunda passagem pelos 27,46 quilómetros do troço minhoto, Meeke, nono do Mundial, atrasou-se devido a um furo num dos pneus, primeiro, e, depois, praticamente a meio do percurso, foi forçado a abandonar a etapa com a suspensão da viatura partida.

O norte-irlandês, que este ano venceu o Rali do México e liderou a prova lusa após a quinta especial, somou o segundo abandono consecutivo, depois de ter sofrido dois acidentes no Rali da Argentina.

Além de Meeke, também o finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris), que seguia no segundo lugar, e o neozelandês Hayden Paddon (Hyundai i20) se atrasaram em Ponte de Lima.

"No início do troço, na segunda travagem, o carro não parou e eu não sei porquê. Acertámos num morro, em duas rodas e virámos. Tivemos danos no escape e tivemos de usar o modo de estrada", explicou o vencedor do rali em 2015 e grande protagonista das três classificativas disputadas durante a manhã.

Paddon voltou a deparar-se com problemas elétricos no Hyundai i20, que se tinha desligado logo na primeira especial, terminando com um atraso de quase 11 minutos do mais rápido, o espanhol Dani Sordo, seu companheiro de equipa.

O estónio Ott Tänak (Ford Fiesta) lidera a 51.ª edição do Rali de Portugal após sete classificativas, com 3,6 segundos de vantagem sobre Sordo.

Ainda hoje, os pilotos vão enfrentar duas especiais na 'Braga Street Stage', um percurso urbano de 1,9 quilómetros, semelhante ao disputado no Porto.

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

      Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.