Sete escolas de Santiago do Cacém fechadas por falta de auxiliares

| País

Cerca de 120 alunos do primeiro ciclo do ensino básico de Santiago do Cacém, distrito de Setúbal, não começaram, até hoje, o novo ano letivo por falta de auxiliares em sete escolas rurais.

"Todos os anos isto é uma luta", desabafou hoje, em declarações à agência Lusa, o diretor do Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém, Manuel Mourão, depois de indicar que "as escolas rurais não estão a funcionar" por falta de auxiliares de educação.

Adiado para data incerta, segundo o mesmo responsável, está o início das aulas nas escolas do primeiro ciclo do ensino básico das localidades de Arealão, Abela, São Bartolomeu da Serra, Cruz de João Mendes, Santa Cruz, Relvas Verdes e Aldeia dos Chãos.

Para cada uma das escolas, está prevista a contratação de uma auxiliar a meio tempo para cumprir quatro horas diárias.

"Não recebemos ainda a autorização para contratar", explicou Manuel Mourão, que aguarda resposta do Ministério da Educação.

Na sede do agrupamento de escolas, que recebe alunos do 1.º ao 12.º ano de escolaridade, na cidade de Santiago do Cacém, o ano letivo começou esta semana, como previsto.

"Os funcionários são poucos, se eu os mandasse [para as escolas rurais], quem é que me fazia o serviço aqui", questionou.

Sem prever a data em que os estabelecimentos de ensino poderão abrir, o diretor do Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém assegurou já ter adiantado o processo de recrutamento de auxiliares, aguardando apenas a autorização da tutela para efetuar os contratos de trabalho.

A Lusa contactou hoje os serviços da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares no Alentejo, que remeteram para o Ministério da Educação, do qual não obteve resposta até meio da tarde de hoje.

Tópicos:

Aldeia, Arealão Abela Bartolomeu, Mendes, Santi Cacém,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.