Mulher sofre queimaduras em 50% do corpo em Tomar

| País

Uma mulher de 40 anos sofreu queimaduras em cerca de 50 por cento do corpo, na sequência do incêndio que deflagra no concelho de Tomar, disseram hoje à Lusa fontes da autarquia e da Proteção Civil.

De acordo com fonte do comando nacional da Proteção Civil, a mulher foi atingida pelas chamas na localidade de Vale do Vime, no concelho de Abrantes, distrito de Santarém.

Contactado pela Lusa, o vice-presidente da Câmara de Abrantes, Hugo Cristóvão, acrescentou que a mulher sofreu queimaduras em 50 por cento do corpo e que foi inicialmente assistida no hospital de Abrantes, tendo, devido à gravidade das queimaduras, sido transferida para os Hospitais de Coimbra.

A Proteção Civil revelou ainda que outra pessoa sofreu queimaduras ligeiras na localidade de Outeiro do Forno, tendo sido assistida no hospital de Abrantes.

De acordo com a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, consultada cerca da 01:40, o incêndio que deflagra em Tomar está a ser combatido 271 operacionais, apoiados por 73 meios terrestres. O fogo teve origem na localidade de Carvalhal, na União de Freguesias Serra e Junceira, às 15:58 de sábado.

No concelho de Abrantes, igualmente no distrito de Santarém, cinco bombeiros também sofreram, no sábado, queimaduras ligeiras, quando combatiam um incêndio que deflagrou em duas aldeias, na sequência de uma projeção de um fogo em Tomar que atravessou a albufeira de Castelo de Bode.

Tópicos:

Proteção, Santarém Contactado, Vale,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.