Marcelo mais esperançado no controlo dos incêncios

| País

O Presidente da República visitou hoje à tarde quatro postos de comando dos bombeiros na zona de Pedrogão Grande e, no final, estava mais esperançado que seria possível controlar os incêndios que fizeram 63 mortos desde sábado.

Marcelo Rebelo de Sousa estava em Góis, o último posto de comando dos bombeiros que visitou durante a tarde e que o levou a fazer mais de 120 quilómetros entre Avelar (Ansião), Figueiró dos Vinhos, Serra de São Macário (Cernache do Bonjardim) e Góis debaixo de temperatura sempre superior a 35º Celsius.

"O balanço é genericamente mais positivo do que aquilo que esperava", afirmou Marcelo, gravata preta, semblante algo carregado, que o acompanhou durante o dia, tendo a seu lado a ministra da Administração Interna, Constança Urbana de Sousa, com colete azul e laranja, da Proteção Civil.

Depois de começar esta visita às zonas afetadas pelos incêndios, em Avelar, Ansião, Marcelo tinha perspetivas "mais favoráveis".

Tópicos:

Avelar Ansião Figueiró, Góis, Macário Cernache Bonjardim, Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.