Há sinais de controlo e de evolução favorável do combate às chamas - PR

| País

O Presidente da República afirmou hoje que há sinais de evolução favorável do incêndio que começou no sábado no distrito de Leiria, depois de um dia em que se emocionou em Castanheira de Pera, após se saber da morte de um bombeiro.

"Neste momento, aquilo que encontrámos ultrapassou as expectativas que tínhamos", notou Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas no posto de comando em Avelar, concelho de Ansião, sublinhando que há a perceção de uma "evolução favorável".

De acordo com o Presidente da República, as condições atmosféricas "foram melhores do que se previa" e, apesar de haver várias frentes, há "sinais de controlo".

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa contou ainda que se emocionou em Castanheira de Pera, vila que esteve cercada durante o incêndio, num momento "muito especial", em que as pessoas "tinham sabido há poucas horas da morte de um bombeiro" da corporação daquele concelho.

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço oficial dá conta de 64 mortos e 135 feridos.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

Além de Pedrógão Grande, existem quatro grandes fogos a lavrar nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco. Em todo o País, os fogos mobilizam um total de cerca de 2.155 operacionais, 666 veículos e 21 meios aéreos.

 

Tópicos:

Figueiró Vinhos Castanheira, Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.