Governo "preocupado" com violência na Birmânia mas sem referir povo rohingya

| País

O Governo português manifestou hoje "séria preocupação" com a "escalada de violência" na Birmânia (Myanmar), num comunicado em que nunca refere o povo rohingya, sobre o qual -- segundo a ONU - está a ser exercida a violência.

"O Governo português segue com séria preocupação a recente escalada de violência registada no Estado de Arracão, no Myanmar, assim como a nova vaga de refugiados por ela ocasionada, bem como a escassa informação sobre a situação no terreno que resulta da saída das organizações humanitárias que ali operam, por razões de segurança", salienta o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE).

Lisboa apela "ao fim imediato da violência", esperando "que as autoridades birmanesas possam rapidamente garantir as condições para o restabelecimento do acesso humanitário, assegurando igualmente a proteção da população civil inocente".

O Parlamento Europeu instou hoje a Birmânia a "parar imediatamente" a violência contra os rohingya, numa altura em que 400 mil pessoas daquela minoria já fugiram para o vizinho Bangladesh.

Na quarta-feira, o Conselho de Segurança da ONU pediu "medidas imediatas" para acabar com a violência sobre os rohingyas na Birmânia. Sobre o mesmo assunto, o secretário-geral da ONU, António Guterres, considerou que os "crimes contra a humanidade" que sofrem os rohingyas na Birmânia podem ser considerados limpeza étnica.

O comunicado divulgado hoje pelo MNE português não faz qualquer referência ao povo rohingya, optando por considerar que "Portugal apoia a transição democrática em curso na Birmânia, assim como o processo de paz e reconciliação conduzido pelo Governo birmanês".

Lisboa também "apela à rápida implementação das recomendações emitidas pela Comissão Consultiva para o Estado de Arracão presidida por Kofi Annan, enquanto ponto de partida para a unidade e estabilidade do país no longo termo".

Em agosto, o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, apresentou ao Governo birmanês o relatório com recomendações para acabar com a violência em Rakhine e promover o desenvolvimento da região.

No relatório da comissão de Kofi Annan -- constituída a pedido do Governo birmanês -- também não se refere ao povo rohingya, referindo que "a pedido do Conselheiro de Estado [Aung San Suu Kyi] no texto será utilizado a expressão comunidade muçulmana em Rhakine (Arracão)". A comissão Annan também não usa o termo "Bengali", a forma como o Governo birmanês se refere àquele povo, porque os considera refugiados do Bangladesh.

Segundo a ONU, cerca de 400.000 rohingyas refugiaram-se no Bangladesh desde finais de agosto para fugir à repressão do exército birmanês, que lançou uma operação militar no oeste do país após uma série de ataques da rebelião rohingya.

As autoridades da Birmânia, de maioria budista, não reconhecem a cidadania aos rohingya, cerca de um milhão de pessoas, impondo-lhes múltiplas restrições, incluindo a privação da liberdade de movimentos.

Tópicos:

Arracão, Birmânia, ONU,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.