GNR resgata macaco encontrado na via pública em Almada

| País

A GNR resgatou um macaco que se encontrava na via pública na Charneca de Caparica, em Almada, tendo a proprietária sido identificada pelas autoridades, foi hoje anunciado.

"Na sequência de uma denúncia, a informar que se encontrava na via pública um primata, os militares deslocaram-se ao local, tendo procedido ao resgate do mesmo", refere a GNR, em comunicado.

A operação foi efetuada pelo Núcleo de Proteção Ambiental de Almada, com a proprietária a ser identificada, tendo sido elaborado o respetivo auto de contraordenação por violação do Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção.

"A proprietária ficou como fiel depositária do primata até conclusão dos trâmites do processo por parte do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas", acrescenta."Na sequência de uma denúncia, a informar que se encontrava na via pública um primata, os militares deslocaram-se ao local, tendo procedido ao resgate do mesmo", refere a GNR, em comunicado.

A operação foi efetuada pelo Núcleo de Proteção Ambiental de Almada, com a proprietária a ser identificada, tendo sido elaborado o respetivo auto de contraordenação por violação do Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção.

"A proprietária ficou como fiel depositária do primata até conclusão dos trâmites do processo por parte do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas", acrescenta.

Tópicos:

Charneca Caparica, Espécies, Flora Selvagem Ameaçadas, Florestas, Proteção Ambiental,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.