Fogo que começou em Cantanhede e que afetou Coimbra dado como dominado

| País

O incêndio que começou no concelho de Cantanhede e que lavrou na sede de distrito, Coimbra, foi dado como dominado hoje de manhã, afirmou o presidente da Câmara, Manuel Machado, referindo que o risco de reativação "é alto".

O incêndio foi dado como dominado às 07:41, sendo que "o dispositivo se mantém no terreno", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, sublinhando que "o nível de reativação é alto".

De acordo com o autarca, o plano municipal de emergência, acionado na sexta-feira, mantém-se ativo.

Em declarações à Lusa, Patrícia Gaspar, da Proteção Civil, confirmou que o incêndio que começou em Cantanhede e que progrediu na zona de Trouxemil, Lamarosa, Andorinha e São Marcos, no concelho de Coimbra, foi dado como dominado.

A adjunta nacional de operações também frisou que há "um elevadíssimo risco de reativação".

De acordo com Patrícia Gaspar, o risco deve-se às condições meteorológicas "ainda vigentes" para hoje e segunda-feira.

"Esta noite, houve locais onde a temperatura não desceu dos 20 graus. É um cenário meteorológico muito complexo", explicou.

O incêndio que começou em Torres do Mondego, concelho de Coimbra, e que rapidamente progrediu para Miranda do Corvo está neste momento "estabilizado", mantendo-se com "uma frente ativa com cerca de 800 metros", referiu a adjunta nacional de operações.

"O pior cenário é o do incêndio de Ferreira de Zêzere", no distrito de Santarém, afirmou Patrícia Gaspar.

 

  

Tópicos:

Proteção, Santarém,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.