Fogo que começou em Cantanhede e que afetou Coimbra dado como dominado

| País

O incêndio que começou no concelho de Cantanhede e que lavrou na sede de distrito, Coimbra, foi dado como dominado hoje de manhã, afirmou o presidente da Câmara, Manuel Machado, referindo que o risco de reativação "é alto".

O incêndio foi dado como dominado às 07:41, sendo que "o dispositivo se mantém no terreno", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, sublinhando que "o nível de reativação é alto".

De acordo com o autarca, o plano municipal de emergência, acionado na sexta-feira, mantém-se ativo.

Em declarações à Lusa, Patrícia Gaspar, da Proteção Civil, confirmou que o incêndio que começou em Cantanhede e que progrediu na zona de Trouxemil, Lamarosa, Andorinha e São Marcos, no concelho de Coimbra, foi dado como dominado.

A adjunta nacional de operações também frisou que há "um elevadíssimo risco de reativação".

De acordo com Patrícia Gaspar, o risco deve-se às condições meteorológicas "ainda vigentes" para hoje e segunda-feira.

"Esta noite, houve locais onde a temperatura não desceu dos 20 graus. É um cenário meteorológico muito complexo", explicou.

O incêndio que começou em Torres do Mondego, concelho de Coimbra, e que rapidamente progrediu para Miranda do Corvo está neste momento "estabilizado", mantendo-se com "uma frente ativa com cerca de 800 metros", referiu a adjunta nacional de operações.

"O pior cenário é o do incêndio de Ferreira de Zêzere", no distrito de Santarém, afirmou Patrícia Gaspar.

 

  

Tópicos:

Proteção, Santarém,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.