Ferreira do Zêzere é o fogo mais preocupante

| País
Ferreira do Zêzere é o fogo mais preocupante

Ao início da tarde eram cinco os incêndios mais preocupantes: Mealhada, Alvaiázere, Ferreira do Zêzere, Coimbra e Castelo Branco, revelou à Antena 1 a adjunta nacional de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar.

A situação mais preocupante a esta altura é em Ferreira do Zêzere. O fogo lavra desde sábado e o presidente da câmara, Jacinto Lopes, já deu conta do problema que tem em mãos.



A resposta já chegou de Espanha com meios aéreos e terrestres.

Portugal está a viver os dias com maior número de incêndios até agora.

Desde quarta-feira que os fogos já causaram 40 feridos -- entre bombeiros e civis -, dos quais apenas um com gravidade.
Situação preocupante no centro do país
O incêndio em Tomar, que lavrava há 20 horas, foi dado como dominado às 12h30, embora os meios de mantenham de prontidão, tendo em conta o risco de reativação.

Desde quarta-feira, altura em que começou o fogo em Abrantes, seguido de outras ocorrências em vários concelhos, dezenas de pessoas foram retiradas das suas casas por causa das chamas.

Segundo Patrícia Gaspar, o incêndio em Coimbra obrigou à retirada de 40 pessoas, que, entretanto, já regressaram às suas habitações.

O fogo na Mealhada, distrito de Aveiro, obrigou à retirada de 16 idosos, e em Ferreira do Zêzere, distrito de Santarém, também se registaram pessoas deslocadas.

Em Tomar, as chamas obrigaram à retirada de cerca de 80 pessoas das suas casas situadas em várias localidades.

Em Louriçal do Campo, distrito de Castelo Branco, foi evacuada uma unidade hoteleira, além de residentes de casas em nove localidades.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.