Seleções portuguesas apuram-se para os `quartos` do Europeu de ténis de mesas

| Outras Modalidades

Legenda da Imagem
|

As seleções portuguesas de ténis de mesa qualificaram-se quinta-feira para os quartos de final do Campeonato da Europa de equipas, que decorre no Luxemburgo, tanto no setor masculino, como no feminino.

A representação masculina impôs-se por 3-2 à congénere da Áustria, campeã em título e que tinha derrotado Portugal nos Europeus de 2014 -- sem que isso tenha impedido a equipa das 'quinas' de se sagrar campeã - e 2015.

Marcos Freitas, que bateu Robert Gardos, por 3-1, e Stefan Fegerl por 3-2, e Tiago Apolónia, vencedor do confronto final com Gardos, por 3-2, consumaram o triunfo luso, apesar dos desaires de Apolónia frente a Fegerl e de João Monteiro ante Daniel Habesohn, ambos por 3-2.

Ainda hoje, a seleção portuguesa vai discutir a vitória no Grupo B com a Eslováquia, que também venceu a Áustria, por 3-2, mas perdeu pela mesma margem com a Eslovénia, que a equipa lusa tinha derrotado na estreia, por 3-0.

No setor feminino, a equipa nacional venceu a Ucrânia por 3-2, assegurando um lugar nos quartos de final, uma vez que já tinha vencido a Espanha, por 3-1, apesar de ter cedido frente à Áustria, por 3-2.

Fu Yu impôs-se as ucranianas Margaryta Pesotska (3-2) e Ganna Gaponova (3-1), e Jieni Shao bateu Pesotska (3-1), depois de ter perdido frente a Gaponova (3-0), enquanto Cátia Martins estreou-se no Europeu com uma derrota frente a Solomiya Brateyko (3-0).

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.