Seleções portuguesas apuram-se para os `quartos` do Europeu de ténis de mesas

| Outras Modalidades

Legenda da Imagem
|

As seleções portuguesas de ténis de mesa qualificaram-se quinta-feira para os quartos de final do Campeonato da Europa de equipas, que decorre no Luxemburgo, tanto no setor masculino, como no feminino.

A representação masculina impôs-se por 3-2 à congénere da Áustria, campeã em título e que tinha derrotado Portugal nos Europeus de 2014 -- sem que isso tenha impedido a equipa das 'quinas' de se sagrar campeã - e 2015.

Marcos Freitas, que bateu Robert Gardos, por 3-1, e Stefan Fegerl por 3-2, e Tiago Apolónia, vencedor do confronto final com Gardos, por 3-2, consumaram o triunfo luso, apesar dos desaires de Apolónia frente a Fegerl e de João Monteiro ante Daniel Habesohn, ambos por 3-2.

Ainda hoje, a seleção portuguesa vai discutir a vitória no Grupo B com a Eslováquia, que também venceu a Áustria, por 3-2, mas perdeu pela mesma margem com a Eslovénia, que a equipa lusa tinha derrotado na estreia, por 3-0.

No setor feminino, a equipa nacional venceu a Ucrânia por 3-2, assegurando um lugar nos quartos de final, uma vez que já tinha vencido a Espanha, por 3-1, apesar de ter cedido frente à Áustria, por 3-2.

Fu Yu impôs-se as ucranianas Margaryta Pesotska (3-2) e Ganna Gaponova (3-1), e Jieni Shao bateu Pesotska (3-1), depois de ter perdido frente a Gaponova (3-0), enquanto Cátia Martins estreou-se no Europeu com uma derrota frente a Solomiya Brateyko (3-0).

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.