Parlamento iraniano aprova verba para desenvolvimento do programa nuclear

| Mundo

|

O Parlamento iraniano aprovou hoje a atribuição de aproximadamente 440 milhões de euros para o desenvolvimento do programa de mísseis do Irão e o fortalecimento das atividades regionais da Guarda Revolucionária, em resposta às ações "aventureiras" dos Estados Unidos.

"Os americanos devem saber que se trata apenas da nossa primeira ação", alertou o presidente do Parlamento, Ali Larijani.

O presidente do Parlamento iraniano fez esta declaração depois do anúncio de uma votação esmagadora a favor do pacote de medidas, que pretende "fazer face às ações terroristas e aventureiras dos Estados Unidos na região".

Sem qualquer oposição, 240 membros do Parlamento (dos 244 presentes) votaram a favor do projeto de lei que prevê a atribuição de cerca de 220 milhões de euros para o "desenvolvimento do programa de mísseis" e um montante equivalente à Força Qods, um braço da Guarda Revolucionária encarregada das operações externas, divulgou a agência de notícias oficial IRNA.

Esta votação acontece após as novas sanções que Estados Unidos anunciaram em julho contra o programa de mísseis balísticos do Irão.

"Os Estados Unidos continuam profundamente preocupados com as atividades perniciosas do Irão no Médio Oriente que minam a estabilidade, a segurança e a prosperidade da região", disse o porta-voz da diplomacia norte-americana, Heather Nauert, reagindo à notícia da votação.

A porta-voz denunciou "o apoio iraniano contínuo a grupos terroristas como o Hezbollah, o Hamas e a Jihad Islâmica, que ameaçam Israel e a estabilidade no Médio Oriente".

"Este projeto de lei (votado hoje pelo Parlamento iraniano) é apoiado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e pelo Governo e é parte de uma série de medidas propostas pela comissão de supervisão do JCPOA para lidar com a recente lei (votada pelo) Congresso dos Estados Unidos", disse hoje Abbas Araghchi, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e principal negociador iraniano.

O vice-ministro refere-se ao acordo internacional sobre o programa nuclear da República Islâmica, conhecido pela sigla JCPOA (Plano Integrado de Ação Conjunta), assinado em 14 de julho de 2015, em Viena, pelo Irão e as grandes potências (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha).

 

 

Tópicos:

Hezbollah, JCPOA Integrado Ação, Unido,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.