Parlamento iraniano aprova verba para desenvolvimento do programa nuclear

| Mundo

|

O Parlamento iraniano aprovou hoje a atribuição de aproximadamente 440 milhões de euros para o desenvolvimento do programa de mísseis do Irão e o fortalecimento das atividades regionais da Guarda Revolucionária, em resposta às ações "aventureiras" dos Estados Unidos.

"Os americanos devem saber que se trata apenas da nossa primeira ação", alertou o presidente do Parlamento, Ali Larijani.

O presidente do Parlamento iraniano fez esta declaração depois do anúncio de uma votação esmagadora a favor do pacote de medidas, que pretende "fazer face às ações terroristas e aventureiras dos Estados Unidos na região".

Sem qualquer oposição, 240 membros do Parlamento (dos 244 presentes) votaram a favor do projeto de lei que prevê a atribuição de cerca de 220 milhões de euros para o "desenvolvimento do programa de mísseis" e um montante equivalente à Força Qods, um braço da Guarda Revolucionária encarregada das operações externas, divulgou a agência de notícias oficial IRNA.

Esta votação acontece após as novas sanções que Estados Unidos anunciaram em julho contra o programa de mísseis balísticos do Irão.

"Os Estados Unidos continuam profundamente preocupados com as atividades perniciosas do Irão no Médio Oriente que minam a estabilidade, a segurança e a prosperidade da região", disse o porta-voz da diplomacia norte-americana, Heather Nauert, reagindo à notícia da votação.

A porta-voz denunciou "o apoio iraniano contínuo a grupos terroristas como o Hezbollah, o Hamas e a Jihad Islâmica, que ameaçam Israel e a estabilidade no Médio Oriente".

"Este projeto de lei (votado hoje pelo Parlamento iraniano) é apoiado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e pelo Governo e é parte de uma série de medidas propostas pela comissão de supervisão do JCPOA para lidar com a recente lei (votada pelo) Congresso dos Estados Unidos", disse hoje Abbas Araghchi, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e principal negociador iraniano.

O vice-ministro refere-se ao acordo internacional sobre o programa nuclear da República Islâmica, conhecido pela sigla JCPOA (Plano Integrado de Ação Conjunta), assinado em 14 de julho de 2015, em Viena, pelo Irão e as grandes potências (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha).

 

 

Tópicos:

Hezbollah, JCPOA Integrado Ação, Unido,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.