Morreu o estudante norte-americano que tinha sido libertado pela Coreia do Norte

| Mundo

|

Morreu o estudante norte-coreano que o regime norte-coreano tinha libertado recentemente. Otto Warmbier, com 22 anos, morreu hoje, informou a família. Warmbier tinha sido detido em janeiro de 2016 no aeroporto de Pyongyang, ao preparar-se para regressar aos Estados Unidos.

As autoridades norte-coreanas alegavam então estar na posse de imagens de videovigilância que mostrariam o estudante da Universidade da Virgínia a tentar roubar um cartaz de propaganda no hotel da capital em que estava hospedado.

Natural de Cincinnati, no Estado norte-americano do Ohio, Otto Warmbier estudou Economia na Universidade da Virgínia. Foi detido a 2 de janeiro do ano passado, no termo de uma viagem turística à Coreia do Norte.

Um mês depois de ser levado para os calabouços do regime de matriz estalinista, surgia perante as câmaras da televisão estatal norte-coreana a confessar o furto de que era acusado. Em lágrimas, diria ter tentado levar o cartaz como um “troféu” para uma igreja nos Estados Unidos.

“O objetivo da minha tarefa era prejudicar a motivação e a ética de trabalho do povo coreano”, afirmou, numa declaração que Washington considerou forçada.

A 16 de março, em julgamento sumário, Warmbier era condenado a 15 anos de prisão por crimes contra o Estado.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.