Lu-Olo mantém liderança com 59,79%, quando estão contados 69,40% dos boletins

| Mundo

Francisco Guterres Lu-Olo, candidato apoiado pelos dois maiores partidos timorenses, Fretilin e CNRT, lidera a contagem dos votos nas eleições presidenciais timorenses, com 59,79%, quando estão escrutinados 69,4% dos votos, segundo dados oficiais.

A percentagem de liderança de Lu-Olo mantém-se em torno aos 60% há várias horas, o que indicia que o candidato apoiado pelos dois maiores partidos deverá ser o próximo Presidente da República timorense.

Às 07:00 locais de terça-feira (22:00 de segunda-feira em Lisboa), dezasseis horas depois de as urnas terem encerrado, o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) tinha escrutinado informação de 483 dos 696 centros de votação, com a contagem terminada em vários municípios.

Informação confirmada pela agência Lusa no STAE mostra que até às 22:00 tinham sido contabilizados 379.107 votos (de um universo de 743.150 eleitores) dos quais 355.571 são considerados válidos.

Para vencer à primeira volta, Lu-Olo terá que obter mais de 50% dos votos válidos.

À hora citada, Lu-Olo tinha obtido 212.509 votos (59,79%) contra os 107.372 de António da Conceição (30,2%).

Em terceiro de entre os oito candidatos, mas a muita distância dos dois primeiros, surge José Luis Guterres, com 9.952 votos e 2,8%, à frente de Luis Tilman, com 7.075 votos e 1,99%.

José Neves tinha contabilizados 6.998 votos, ou 1,97%, Antonio Maher Lopes 6.263 votos, ou 1,76%, Amorim Vieira registava 2.819 votos, ou 0,79% e, em último, Ângela Freitas obtinha 2.493 votos, ou 0,70%.

A legislação timorense prevê que a contagem dos votos possa demorar até 48 horas depois do fecho das urnas, sendo que, em alguns locais, a votação se prolongou além da hora prevista devido à grande afluência.

Tópicos:

Díli, Luis Guterres, Luis Tilman, Timor,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.