Chega ao Canadá pastor libertado pela Coreia do Norte ao fim de dois anos e meio

| Mundo

O pastor canadiano que foi libertado na quarta-feira pela Coreia do Norte, depois de mais de dois anos e meio preso, regressou este sábado a casa, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Canadá em comunicado.

Hyeon Soo Lim, pastor protestante de nacionalidade canadiana e origem sul-coreana, de 62 anos, estava preso desde 2015 na Coreia do Norte, onde foi condenado a prisão perpétua num campo de trabalhos forçados por atividades subversivas contra o regime.

Na semana passada Hyeon Soo Lim foi libertado por "razões médicas", segundo a descrição do próprio regime norte-coreano.

"Juntamo-nos hoje [sábado] à família e à congregação do pastor Lim na celebração do seu tão aguardado regresso ao Canadá", afirmou a diplomacia canadiana em comunicado.

Segundo os `media` locais, o pastor Lim chegou no sábado à base militar de Trenton, a 170 quilómetros a leste de Toronto (Ontário, centro).

O Governo canadiano destacou, na quinta-feira, o importante papel desempenhado pela diplomacia sueca na libertação do pastor pelo regime de Pyongyang.

O Canadá não tem relações diplomáticas com a Coreia do Norte.

Em junho, Pyongyang libertou um estudante universitário norte-americano, de 22 anos, que esteve preso durante 17 meses na Coreia do Norte. Otto Warmbier, que tinha sido condenado a 15 anos de trabalhos forçados, foi repatriado em estado de coma e acabou por morrer dias depois.

O regime norte-coreano afirmou que Otto Warmbier sofreu um surto de botulismo, uma versão que a família refutou.

Na sequência da morte do jovem, os Estados Unidos decidiram proibir os norte-americanos de entrar na Coreia do Norte, uma interdição que entra em vigor no próximo dia 01 de setembro e que prevê algumas exceções por razões humanitárias ou para os `media`.

Estas restrições aplicam-se durante um ano e podem ser renovadas.

A agência de viagens que organizou a visita à Coreia do Norte de Otto Warmbier também anunciou que não incluirá mais cidadãos dos Estados Unidos nos seus `tours`.

A Young Pioneer Tours, com sede na cidade chinesa de Xi`an e uma das raras agências de viagem especializadas em organizar visitas à Coreia do Norte, argumentou que a morte do jovem mostrou que o risco para os turistas norte-americanos se "tornou demasiado alto".

Cerca de 5.000 turistas ocidentais, incluindo cerca de 1.000 norte-americanos, visitam anualmente a Coreia do Norte, de acordo com as agências de viagens que organizam estas deslocações, as quais são totalmente enquadradas pelo regime de Pyongyang.

Atualmente, há pelo menos três norte-americanos e seis sul-coreanos detidos na Coreia do Norte.

 

Tópicos:

Pyongyang, Toronto Ontário, Trenton,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.