Trabalhadores do Banco de Brasil querem melhorar condições de saída

| Economia

Os trabalhadores que o Banco de Brasil quer despedir em Portugal ainda estão a tentar a chegar a acordo com a entidade sobre as condições de saída, mais favoráveis do que num processo de despedimento, segundo sindicatos do setor.

O presidente do Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários (SNQTB), Paulo Marcos, considerou à Lusa que este processo de despedimento é "desproporcionado" e que deveria ser revertido, mas admitiu que tal não aconteça, pelo que defendeu que o banco deve abrir "um processo [de rescisões por mútuo acordo] e com cuidado pelos casos sociais", de forma a proteger casais ali empregados ou pessoas com doenças graves.

Na próxima segunda-feira, disse, haverá uma reunião para tentativa de conciliação entre empresa e trabalhadores.

Por seu lado, o presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (afeto à UGT), Rui Riso, afirmou que há "oito ou nove pessoas que aceitaram" já as condições de saída, que disse serem acima do que a lei prevê quando há extinção de posto de trabalho, enquanto "outras oito ou nove estão a tentar melhorar as condições".

O Banco do Brasil, que pertence maioritariamente ao Estado brasileiro, vai fechar a sua atividade de retalho em Portugal, pelo que quer reduzir em 16 trabalhadores afetos a essa área através de despedimento coletivo por extinção de posto de trabalho.

Esta redução de atividade implica o fecho das duas agências que o Banco do Brasil ainda detém em Portugal, no Porto e em Lisboa, estando esses clientes a ser transferidos para o Banco CTT, caso o aceitem.

Com o fecho da atividade do retalho, o Banco do Brasil continuará em Portugal com 56 trabalhadores afetos às áreas de empresas, suporte a outras filiais do banco na Europa e `private bank` (para clientes mais dinheiro no banco).

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários tem sido muito crítico com este processo, considerando que acontece com um banco "que apresenta lucros em Portugal" e quando há "um aumento do fluxo de turistas e dos residentes brasileiros", sobretudo de classes mais elevadas, em Portugal.

"O banco alega na fundamentação [para os despedimentos] que perde dinheiro no retalho, mas temos dúvidas sobre isso, parece que estão a imputar ao retalho custos dos administradores", disse Paulo Marcos à Lusa, criticando que haja redução de trabalhadores mas que se mantenham o mesmo número de administradores, ficando a entidade em Portugal com "um rácio de um administrador para pouco mais de 10 trabalhadores".

 

Tópicos:

UGT,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.