O Dunquerque do turismo de massas. Londres evacua lesados da Thomas Cook

por RTP
Imagem da evacuação das tropas em Dunquerque DR

Mais de meio milhão de turistas ficaram imobilizados em várias partes do mundo, devido à falência da multinacional Thomas Cook. O Governo de Boris Johnson anunciou uma megaoperação de repatriamento que só tem precedente na evacuação das tropas britânicas em Dunquerque, junho de 1940.

De 25 de maio a 4 de junho de 1940, o Almirantado britânico enviou todos os navios de que dispunha para salvar as tropas britânicas encurraladas em Dunquerque pelo avanço das divisões blindadas nazis. Além disso, fez um apelo a que todos as embarcações civis - de pesca, de recreio, etc. - atravessassem o Canal da Mancha para socorrerem os militares cercados. A operação, levada a cabo com pesadas perdas, ficou na História como um êxito.


Mesmo assim, o número de soldados britânicos evacuados era apenas metade dos turistas que agora ficaram encurralados pela bancarrota da Thomas Cook: 300.000 em Dunquerque, 600.000 agora. E, para ainda complicar tudo um pouco mais, os lesados da Thomas Cook encontram-se dispersos por várias partes do mundo. Se em 1940 a operação em Dunquerque durou pouco mais de uma semana, agora poderá durar várias.

A Espanha é um dos países mais atingidos pelos efeitos imediatos da bancarrota sobre os turistas. O diário espanhol El Pais fez um levantamento da situação dos lesados da Thomas Cook, sublinhando
que a AESA (Agencia Estatal de Seguridad Aérea) fiscaliza os aeroportos espanhóis para garantir que os passageiros sejam defendidos, ao abrigo do Regulamento Europeu 261/2004 sobre atrasos, cancelamentos e recusas de embarque.

Nas Canárias, há 30.000 passageiros encurralados pela bancarrota da agência. O presidente do Governo regional, Ángel Víctor Torres, pediu-lhes que não se dirijam aos aeroportos e aguardem nos hoteis. A partir das2h damanhã de terça feira, começarão os voos de substituição. Mas o Governo regional prevê que a totalidade dos passageiros só tenham concluído o regresso dentro de duas semanas.

Na Turquia, o Governo lembrou aos hoteis onde estão alojados os turistas aguardando voos de substituição que não podem cobrar diárias adicionais a esses turistas, nem expulsá-los.