João Vieira foi 11º nos 50 km marcha em Londres

| Atletismo

João Vieira ficou às portas dos dez primeiros na prova dos 50 km marcha nos Mundiais de Londres
|

João Vieira foi 11º e o melhor português nos 50km marcha masculinos.

João Vieira foi o melhor português nos 50 quilómetros marcha dos Mundiais de atletismo, que decorrem em Londres, ao terminar na 11ª posição, numa corrida que foi ganha pelo francês Yohann Diniz.

O atleta português terminou a prova com o tempo de 3h45m28s enquanto o outro luso em prova, Pedro Isidro, foi 32º, com 4h02m30sAtleta satisfeito e nem esperava tanto
João Vieira terminou a prova satisfeito e com o sentido de dever cumprido: "Estou satisfeito, com o dever cumprido, depois de muitas dificuldades na última semana. Consegui suportar e entrar dentro do andamento da prova e chegar ao final", afirmou o atleta, de 41 anos.

Para Vieira, este "foi um bom resultado", próximo do recorde nacional, quando o objetivo era apenas acabar a prova, sobretudo para "ganhar experiência e confiança".

O veterano prometeu agora "continuar em frente" até aos Jogos olímpicos de Tóquio2020 e dedicar-se a esta distância. Yohann Diniz primeira vez e com recorde
Tricampeão europeu, em 2006, 2010 e 2014, e detentor do recorde do mundo, com 3h32m33s, Yohann Diniz sagrou-se pela primeira vez campeão mundial, com o tempo de 3h33m11s, novo recorde dos campeonatos.

Os japoneses Hirooki Arai, prata, com 3h41m17s, e Kai Kobayashi, bronze, com 3h41m19s, completaram o pódio desta prova.

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.