João Vieira foi 11º nos 50 km marcha em Londres

| Atletismo

João Vieira ficou às portas dos dez primeiros na prova dos 50 km marcha nos Mundiais de Londres
|

João Vieira foi 11º e o melhor português nos 50km marcha masculinos.

João Vieira foi o melhor português nos 50 quilómetros marcha dos Mundiais de atletismo, que decorrem em Londres, ao terminar na 11ª posição, numa corrida que foi ganha pelo francês Yohann Diniz.

O atleta português terminou a prova com o tempo de 3h45m28s enquanto o outro luso em prova, Pedro Isidro, foi 32º, com 4h02m30sAtleta satisfeito e nem esperava tanto
João Vieira terminou a prova satisfeito e com o sentido de dever cumprido: "Estou satisfeito, com o dever cumprido, depois de muitas dificuldades na última semana. Consegui suportar e entrar dentro do andamento da prova e chegar ao final", afirmou o atleta, de 41 anos.

Para Vieira, este "foi um bom resultado", próximo do recorde nacional, quando o objetivo era apenas acabar a prova, sobretudo para "ganhar experiência e confiança".

O veterano prometeu agora "continuar em frente" até aos Jogos olímpicos de Tóquio2020 e dedicar-se a esta distância. Yohann Diniz primeira vez e com recorde
Tricampeão europeu, em 2006, 2010 e 2014, e detentor do recorde do mundo, com 3h32m33s, Yohann Diniz sagrou-se pela primeira vez campeão mundial, com o tempo de 3h33m11s, novo recorde dos campeonatos.

Os japoneses Hirooki Arai, prata, com 3h41m17s, e Kai Kobayashi, bronze, com 3h41m19s, completaram o pódio desta prova.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.