Farah despede-se do atletismo sem o ouro mas em apoteose

| Atletismo

|

Depois de anos e anos a perder para Mo Farah, a Etiópia estragou a festa de despedida do britânico nos Campeonatos do Mundo de atletismo de Londres e Muktar Edris é o novo campeão dos 5.000 metros. Farah ficou com a medalha de prata.

Quando tudo se preparava para festejar o 11.º grande título de Farah - seria o quarto só nos 5.000 metros em Mundiais -, eis que uma corrida especialmente lenta permitiu que a Etiópia se desforrasse de tantos anos de 'humilhações', através do mais experiente dos seus homens em pista, Edris, antigo campeão júnior, há cinco anos.
 
Edris e o seu compatriota Yomif Kejelcha (outro campeão nos escalões jovens) tomaram conta da corrida a 500 metros da meta, respondendo na perfeição a Farah e ao norte-americano Paul Chelimo, o vice-campeão olímpico, que eram apontados como os melhores terminadores.
 
"Dei tudo", limitou-se a dizer Farah no final, antes de uma apoteótica volta à pista do estádio Olímpico de Londres, que estava cheio. Nos ecrãs de topo, passava uma montagem com os melhores momentos da carreira.
 
O tempo de Edris, 13.32,79 minutos, comprova bem como a corrida foi lenta - mas valeu-lhe o ouro, o primeiro para a Etiópia desde Kenenisa Bekele em 2009.
 
Farah, com a prata de hoje, falha o ‘tetra’ e é, finalmente, 'derrotável' no ano em que se despede das pistas. Aos 34 anos, é o fim, agora só fará mais duas provas este mês em Inglaterra e arruma os sapatos.
 
Chelimo fica com o bronze, e aos 26 anos parece ser agora quem mais pode fazer frente à 'armada etíope'.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.