Cristiano Pereira dá nova medalha de prata a Portugal

| Atletismo

|

Portugal assegurou no final da jornada nova medalha de prata nos Mundiais de atletismo do Comité Olímpico Internacional, a decorrer em Londres, agora através de Cristiano Pereira, nos 1.500 metros, da categoria T20 (deficiência intelectual).

Cristiano Pereira correu em 3.56,39 minutos, novo recorde da Europa, somente batido pelo norte-americano Michael Branningan (3.53,06), ficando o bronze para o polaco Rafal Korc (3.56,82).

Ainda na jornada da tarde, merece destaque também o quarto lugar de Carolina Duarte nos 100 metros da categoria T13 (deficiência visual).

A corrida foi vencida pela ucraniana Leika Adzhametova (12,00), seguida pela sul-africana Ilse Hayes (12,17), a norte-americana Kym Crosby (12,18) e Carolina Duarte, com um recorde pessoal de 12,43 (vento nulo).

Na sessão da manhã, Érica Gomes conquistara a medalha de prata no salto em comprimento para T20, fazendo a sua melhor marca à quinta e última tentativa, com 5,48 metros. Outra portuguesa, Ana Filipe, ficou com o bronze, após ter saltado 5,26.

Cláudia Santos concluiu a participação portuguesa com o nono lugar da final, tendo ficado com 4,66 metros.

No salto em comprimento de T38, Maria Fernandes alcançou a sua melhor marca da temporada, com 4,28 metros, mas não conseguiu fugir ao sexto e último lugar da final.

Nos 400 metros femininos de T20, Carina Paim qualificou-se para a final, após ter sido terceira classificada da sua série, com o tempo de 1.01,86 minutos.

Também nos 400 metros T20, mas em masculinos, Luís Gonçalves assegurou a presença na final, apesar ter terminado a sua série na segunda posição. Apenas o primeiro lugar dava acesso direto, mas o português foi repescado por ter feito o segundo melhor tempo (49,84 segundos) das meias-finais.

Tópicos:

Carolina, Comité Olímpico, Cristiano, Kym Crosby,

Pesquise por: Carolina, Comité Olímpico, Cristiano, Kym Crosby,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.